NOTA CONJUNTA COM ATUALIZAÇÃO DE POSICIONAMENTO SOBRE A COVID-19 E OS TRATAMENTOS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA



15 de abril de 2020


Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020


A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas.


Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.


Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:


CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;


CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;


CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;


CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;


CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;


CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;


CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;


CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e


CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,


RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.


Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA


Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências:


ANVISA. Anvisa orienta adiar procedimentos de reprodução humana. [Internet] [acess 04 04 2020]. Disponivel em: Portal Anvisa


ASRM – American Society for Reproductive Medicine. (2020a). “COVID-19: Suggestions on Managing Patients Who Are Undergoing Infertility Therapy or Desiring Pregnancy.” Retrieved 21.03.2020, Disponível aqui.


ASRM – American Society for Reproductive Medicine. (2020b). Patient Management and Clinical Recommendations During the Coronavirus(COVID- 19) Pandemic, ASRM, American_Society_for_Reproductive_Medicine.


ESHRE – European Society for Human Reproduction and Embryology. (2020). “Coronavirus Covid-19: ESHRE statement on pregnancy and conception.” Acesso 21.03.2020, Disponível aqui.


IFFS statements on COVID-19 and reproduction. Acesso 13 april 2020. Disponível aqui


Monteleone PAA, Nakano MSL, Lazar V, Gomes AP, Martin H, Bonetti T. A review of initial data on pregnancy during the COVID-19 outbreak: implications for assisted reproductive treatments. JBRA Assist. Reprod. 2020; 24 (2):219-225.


MS – Protocolo de manejo clínico da Covid-19 na Atenção Especializada [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Especializada à Saúde, Departamento de Atenção Hospitalar, Domiciliar e de Urgência. – 1. ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2020.


Red Latinoamericana de Reproducción Asistida. (2020). “Reprodução Assistida e Covid-19 | Nota Conjunta SBRA e REDLARA.” Acesso 13-04-2020. Disponível aqui.


Taitson PF, Casabona, CMR, Vasconcelos AP, Valerio C, Ciocci D. REDLARA and SBRA: Bioética, direitos humanos e reprodução em tempos de covid-19. [Internet]. [acess april 8 2020]. Disponível aqui.


WHO – WHO consolidated guideline on self-care interventions for health: sexual and reproductive health and rights. Geneva: World Health Organization; 2019. Licence: CC BY-NC-SA 3.0 IGO. WHO – World Health Organization (2020). Coronavirus disease (COVID-19) technical guidance:


Surveillance and case definitions. Geneva, WHO, World Health Organization.


NeoVitae Centro de Reprodução

33 3273.1706

FIV - Fertilização In Vitro

A FIV é popularmente conhecida como o método do “Bebê de Proveta” sendo o procedimento de Reprodução Humana Assistida mais realizado no mundo.


Consiste em estimular a ovulação, coletar os óvulos do ovário, fertilizá-los em laboratório com os espermatozoides previamente preparados e transferir os embriões formados e selecionados para o útero, viabilizando e aumentando as chances de gravidez.


O Tratamento


O tratamento é iniciado com uso de hormônios (hormônio folículo estimulante) para estimular o crescimento de um grande número de folículos, onde estão os óvulos. Durante este período, acompanhamos o crescimento dos folículos por ultrassonografia e exames de sangue, para avaliar a melhor dose a ser usada e evitar efeitos colaterais. Quando os folículos atingem o tamanho adequado, induzimos a maturidade dos óvulos com hormônios, para permitir a coleta de óvulos maduros a serem utilizados.


A coleta dos óvulos é feita sob sedação para que não haja dor e a coleta é feita por uma fina agulha guiada por ultrassom. O procedimento dura aproximadamente 10 minutos. No mesmo dia são colhidos os espermatozoides que, em seguida, são preparados para serem selecionados. Um espermatozoide selecionado é colocado diretamente dentro do óvulo maduro para que haja a fertilização. Essa técnica é chamada de Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoide (ICSI).


No dia seguinte avaliamos quantos foram fertilizados e esses são mantidos em cultura, em incubadoras especiais que mantêm a temperatura e o ambiente ideal para o desenvolvimento adequado dos embriões. Os embriões são mantidos nas incubadoras até o momento da transferência para o útero. Esse momento varia de acordo com cada paciente e pode ser de 2 a 5 dias. No dia da transferência, é selecionado 1 a 4 embriões que serão transferidos para o útero através de um cateter muito macio e suave. Os demais embriões de boa qualidade são congelados.


Quatorze dias após a coleta dos óvulos realiza-se o teste de gravidez.


A FIV é indicada nos casos de doença tubária, fator masculino grave, endometriose, falha em outros tratamentos, infertilidade não explicada e idade feminina avançada.


Quais são as chances de sucesso da fertilização in vitro?


A chance de uma FIV resultar em gravidez é em média de 20 a 55% por tentativa, dependendo, principalmente, da idade da paciente.


Em pacientes abaixo de 35 anos, as chances de sucesso são de quase 50%, enquanto que em pacientes acima de 40 anos as chances diminuem.


Toda mulher que recorre à Fertilização in Vitro terá gestação múltipla?


Não. Com o aumento das taxas de gravidez, diminuiu-se o número de embriões transferidos, reduzindo a chance de gêmeos para 5% e a de trigêmeos para menos de 1%.